Mecão entrou em campo com camisas retrô da Retroland. Foto: Raffa Tamburini/America Rio

25/02/2016
Festa, homenagens e jogão: relembre o Clássico Bisavô 280

Festa, homenagens e jogão: relembre o Clássico Bisavô 280

Há exatos sete dias America x Bangu duelavam pela 280ª vez na história nos 111 anos de Clássico Bisavô. Na partida entre rivais mais antiga do Estado, o Rubro levou a melhor e venceu o embate por 3 a 2. Mas a beleza da partida não ficou apenas nos lindos gols do duelo, com destaque para os anotados por Matías Sosa e Leandro Aguiar. Homenagens, hino dos clubes, uma bandeira sobre o clássico e a festa das torcidas de America e Bangu foram pontos altos do evento, que entrou para a história do Futebol Carioca. Para lembrar desta data, alguns dados sobre aquela noite foram listados abaixo:

Clique e veja as fotos

1) Placar eletrônico

O antigo placar eletrônico do Maracanã, que é o placar do Estádio Giulite Coutinho, foi um show à parte. Antes do início do cerimonial, durante a partida e no intervalo da mesma, o placar contou parte da história do duelo. Lembrando artilheiros, campeões e até o último gol de um America x Bangu anotado pelo placar quando o mesmo estava no Maracanã foram algumas das informações dadas. Deixando o ambiente ainda mais charmoso, o placar operou com os escudos dos clubes, diferentemente do tradicional nome dos times.

2) Bandeira

Segundos antes das equipes entrarem em campo perfiladas ladeando o quarteto de arbitragem, quatro meninos da base do Mecão, dois do time Sub15 e dois da equipe Sub17, entraram em campo segurando uma bandeira em homenagem ao clássico. Nela os dizeres ´111 anos de Clássico Bisavô` apresentavam ao Brasil o que estava por vir.

3) Camisas retrô

Homenageando os 111 anos de história deste importante clássico carioca, as duas equipes entraram com camisas retrô. O America entrou em campo trajando blusas da Retroland - do Grupo Nakal -, enquanto o Bangu utilizou camisas de sua fornecedora de material esportivo, sem patrocinadores - como acontecia nos primeiros jogos entre as equipes.

4) Hinos e foto

Dentro de campo, atletas de America e Bangu ficaram alinhados para a execução dos hinos das equipes e do Hino Nacional. Após as canções, os times posaram para a tradicional foto da formação inicial com um charme a mais: a camisa retrô, que se despediu do evento após o registro fotográfico.

5) Pontapé inicial

Antes do início do confronto, dois ex-atletas de America e Bangu foram convidados para dar o pontapé inicial da partida. Gilson Nunes, ex-jogador do America e campeão da Taça Guanabara de 1974, e Ado, ex-jogador do Bangu, Vice-campeão Brasileiro de 1985, foram os responsáveis pela ´saída de bola`.

6) Homenagem no intervalo

O ex-atacante do America, Renato Carioca, foi outro ponto alto da celebração. Autor do último gol anotado pelo placar eletrônico no America x Bangu quando o mesmo estava no Maracanã, Renato entrou em campo e cobrou um pênalti simbólico. Ao marcar o gol, foi ovacionado pela torcida, que exaltou seu eterno camisa 7. Depois do feito, Renato foi presenteado com uma camisa retrô da Retroland utilizada por Darlan, o camisa 7 do Rubro em 2016.

7) Torcidas

O grito vindo das arquibancadas se fez presente no Giulite Coutinho. Exemplo de paixão pelos dois clubes, torcedores de America e Bangu foram vibrantes antes, durante e depois do confronto. Vale ressaltar a presença de charangas nas duas torcidas, que animaram e deram um clima de nostalgia ao duelo.

8) O Jogo

Se foi lindíssima a festa fora de campo, dentro dele America x Bangu não deixaram a desejar e brindaram os torcedores com cinco gols. Após sair perdendo no primeiro tempo - gol de Geraldo -, o Mecão virou o confronto com gols de Matías Sosa, numa cobrança de falta espetacular, Leandro Aguiar, driblando o goleiro, e Marcão, que marcou em seu primeiro toque na bola. O Bangu chegou a diminuir com Magnum, em um bonito gol de falta, porém a festa foi americana em Mesquita.