Franck retornou ao clube nesta temporada, depois de boa passagem, pelo Bragantino (Foto: Diego Andrade/AFC)

28/08/2020
Do interior de Sergipe ao America, Franck encontrou no clube a sua casa

Do campo de terra do interior do Sergipe, Franck era mais entre os milhares de jovens brasileiros com o sonho de ser jogador de futebol. Depois de muita determinação e trabalho, foi no America que o volante encontrou o seu espaço. Entre idas e vindas, o jogador viveu um trabalho de formiguinha, evoluindo um pouco de cada vez para conseguir seu espaço no clube. Agora, de contrato renovado até o fim de 2021, o volante projeta um 2021 promissor para clube. Até lá, Franck defenderá, por empréstimo, o Bonsucesso na disputa da Série B1 do Campeonato Carioca para ganhar ainda mais rodagem.

1 - Como você avalia sua temporada pelo clube?

Foi uma temporada boa, individualmente falando. Mantive um nível de concentração até o último jogo. No dia a dia, sempre fiz bons treinamentos e isso é importante. Para o clube foi um pouco difícil, queríamos subir e jogar a fase principal. Esse era o objetivo. Só que não
conseguimos e o que restou para todos foi não deixar o clube voltar pra B1.

2 - Falando um pouco da sua trajetória, como você começou sua carreira como jogador?

Comecei a jogar quando era bem novo, no interior de Sergipe, onde morava, debaixo das mangueiras, em um campo de terra batida. Desde novo, já sabia o que queria pra minha vida. Amo o que faço.

3 - E como você chegou ao America?

Cheguei ao clube depois de um convite do treinador Wagner Tardelli, quando fiz dois gols, em um jogo contra o próprio America.

4 - Como foi sua transição da base para o profissional, já que você saiu e voltou para o clube?

Não foi nada fácil, foi bem complicada. Saí deixando as portas abertas. Depois de uma boa passagem pelo Bragantino, pude retornar e me firmar posteriormente.

5- Qual foi o papel da Comissão Técnica e da Diretoria na sua afirmação no time principal, após o retorno ao clube?

Foi muito importante, pela confiança que passaram. Recebi o convite do professor Ney, com quem trabalhei na base, para compor o time da seletiva. As coisas não andaram como desejado. Logo depois, dei continuidade com o Gaia, que começou a me colocar. Ele me deu muita confiança também, fez bem o papel dele. Depois de 5 anos, conseguimos deixar o clube na Série A ano que vem.

6- De contrato renovado, quais são suas expectativas para a próxima temporada no Mecão?

As melhores possíveis. Vou trabalhar muito até lá, para quando retornar fazer melhor, ser melhor, e ajudar o clube, junto aos companheiros a chegar na fase principal do Carioca.

7- Como você definiria o America na sua vida?

O América é minha casa, onde me sinto bem. E a gente quer ver a nossa casa arrumada, quer ver o clube disputando lá em cima, onde um clube com essa história jamais poderia ter saído.

Além de Franck, foram emprestados o volante Knupp, também para o Bonsucesso, e o lateral Caio, para o Serra Macaense. O trio disputará a Série B1 do Campeonato Carioca e retornará ao fim da competição para integrar a equipe na disputa do Estadual de 2021.





COMPARTILHE: