Jorge do Batuke disputou a final do Samba Enredo de 2015 da G.R.E.S. Portela. Foto: Raffa Tamburini/America Rio

19/10/2014
Compositor americano tem samba finalista na Portela

Ao longo da história musical do país, grandes compositores do Brasil tinham em suas veias o sangue rubro. Lamartine Babo, Francisco Alves, Tim Maia, Monarco e Dona Ivone Lara são alguns dos nomes americanos imortalizados na cultura brasileira por suas composições. Na madrugada de sexta (17) para sábado (18), na quadra da Escola de Samba Portela, o torcedor do America, Jorge do Batuke - produtor do CD ´Sou Louco Por Ti America`, de 2009, em homenagem ao America Football Club -, comprovou que este legado segue vivo. O compositor foi o único representante das cores do Mecão na final do Samba Enredo de 2015 dos portelenses, com a canção ´Imagina Rio 450 Janeiros de uma cidade surreal`, em parceria com André do Posto 7 e Flávio Bororó, que terminou em segundo lugar na disputa.

- O Max Nunes (torcedor ilustre do America, falecido neste ano) dizia que o America era sua segunda identidade. Para mim é a mesma coisa. Fui com a camisa do clube por baixo do terno e me senti muito feliz em representar o Mecão, que é a minha vida, na final da escolha do Samba Enredo de 2015 da Portela. Nós estávamos na decisão, mas para mim, uma das coisas mais gratificantes foi ver que muita gente me perguntou sobre o America. As pessoas sabem da minha paixão por esse clube e isso não tem preço - relatou Jorge, que já homenageou o Rubro com cinco composições (´Sangue jovem`, ´Alegria da Baixada`, ´1974`, ´Sangue na veia` e ´Minha maior alegria`) presentes no CD ´Sou Louco Por Ti America`.

Aos 35 anos de idade e desde 2009 na ala dos compositores da Escola da Zona Norte do Rio, Jorge começou a disputar sambas em 2002, na G.R.E.S. (Grêmio Recreativo Escola de Samba) Difícil é o nome. De lá para cá foi campeão na Caprichosos de Pilares em 2011 e 2013, além de ter sido o vencedor do concurso ´Samba de Terreiro` da Portela, em 2011. Frequentador da Portela desde criança, escola que vê como seu quintal de casa - já que mora em frente a quadra da mesma -, Batuke concorreu ao Samba Enredo portelense pela primeira vez em 2007. Ao ver o reconhecimento de seu trabalho apenas sete anos após sua primeira disputa, o americano saiu da decisão orgulhoso.

- O legal de tudo foi o carinho das pessoas e o reconhecimento da qualidade da nossa canção. Chegamos com um grande samba na final e ficamos entre os principais nomes. Entrei na bateria da escola aos 17 anos, fui aceito na ala dos compositores aos 29, e aos 35 cheguei na decisão de um samba enredo. Disputei a final com pessoas consagradas e isso, por si só, me alegra, e é uma vitória para mim. Agradeço aos parceiros dessa empreitada, principalmente o André do Posto 7 e o Flávio Bororó, e prometo que o sonho de vencer uma disputa continua vivo. O Samba vencedor de 2015 foi campeão com méritos e agora, depois do fim da disputa, ele é nosso também - concluiu.






COMPARTILHE: