Léo Almada comandará o America por mais três anos. Foto: Raffa Tamburini/America Rio

01/01/2015
Entrevista: presidente analisa 2014 e projeta triênio americano

O ano de 2014 foi, sem dúvidas, um marco para o America Football Club. Ao assumir a presidência do Conselho de Administração em janeiro do último ano, Léo Almada conduziu o Rubro em uma gerência livre de falhas, que honrou todos os seus compromissos - algo que não acontecia desde 2005. Com seu estilo de comando justo e sério, o mandatário americano vem restabelecendo a credibilidade do Mecão no cenário Estadual e Brasileiro.

Reeleito para mais três anos a frente do America, Léo Almada será empossado no próximo dia 5, em uma cerimônia no Club Municipal, às 19h. Esperançoso em seguir mantendo o ´trem americano nos trilhos` - como o mesmo gosta de dizer -, Léo fez um balanço de seu primeiro ano como presidente em entrevista para o Site Oficial do Rubro. Além disso abordou assuntos pertinentes - como o Futebol e a construção de uma nova sede - levantados ao longo deste importante período em que esteve e estará no comando do clube de Campos Sales.

Presidente, o sr. assumiu o America após a renúncia do mandatário anterior. Em que estado encontrou a administração do clube?

Assumi o clube em um mandato tampão, em um momento nebuloso. Encontrei o America falido, desorganizado e com pessoas que utilizavam o clube para benefício próprio, em detrimento da ´saúde` financeira da instituição. Além disso um andar de nossa sede social da Rua Campos Sales era destinado a uma prática ilegal: jogos de azar. A situação do Futebol também era terrível, já que havia um contrato nefasto com uma empresa que gerenciaria a modalidade. Vínculo este que fazia com que estes empresários se tornassem donos do clube.

Quais foram as suas primeiras providências administrativas?

Primeiramente acabamos com as atividades ilegais dentro de nossa sede. Depois buscamos afastar as pessoas que faziam mal ao America. Com muita luta e trabalho conseguimos executar o que nos propusemos.

E quanto ao futebol?

Era claro que o contrato com a empresa não beneficiava o America. Por isso, como eles não cumpriram algumas exigências, eu tomei providências legais para romper o vínculo e reassumi o departamento de futebol. No entanto, esta vitória aconteceu perto do período final de inscrições para o Estadual. Nas mãos daqueles empresários corremos risco de não termos uma equipe para jogar a Série B. Com isso tivemos que deixar o time como eles montaram e mantivemos alguns atletas que não correspondiam a nossa necessidade na parte técnica.

Seguindo no tema futebol, como avalia o ano da modalidade?

Passado o período nebuloso da Série B, mudamos a Comissão Técnica e contratamos atletas que nos fizeram sonhar com o título da Copa Rio. Tivemos um time bom e, infelizmente, quando dependíamos de um empate para avançarmos a semifinal do torneio, fomos superados. No fim de 2014 também efetuamos algumas mudanças no comando do futebol e, também por isso, creio em um 2015 de sucesso para o futebol.

O que te deixa confiante em um bom ano do Mecão no Estadual de 2015?

Neste ano o Edu vem contratado como o Coordenador Geral do Futebol do America, tanto da base como do profissional. Outro importante fator foi a chegada do Arturzinho, excelente técnico com mais de oito títulos em seu currículo. A avaliação e montagem do elenco será feita por ambos e tenho a certeza de escolhas acertadas, principalmente pela capacidade destes dois profissionais. Essa nova Comissão Técnica, capitaneada por ambos, fechará um elenco de 28 atletas equiparados tecnicamente. Isto, naturalmente, deixará o plantel americano forte e competitivo na luta pelo acesso.

Também é importante lembrar que, recentemente, o Sr. relatou que o futuro do Futebol e do clube esbarrava no projeto de construção da nova sede, pois geraria receita vitalícia para o America, sem perda de patrimônio. Poderia reforçar como funcionaria esta concepção?

Foi constatado em 2014, através de laudos da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros, que a nossa sede social da Rua Campos Sales 118 não se encontrava em condições próprias para uso dos associados. Por isso ela foi fechada e conseguimos um convênio com o Club Municipal, para que nossos sócios pudessem frequentar o clube vizinho. Além do mais, a sede gerava pouca receita e, só por estar aberta, contribuía diariamente para prejuízos do mês. Constatamos também que a única forma viável para a sobrevivência do America seria a construção de uma nova sede, em cima de um empreendimento (que geraria receita mensal para o clube durante e após as construções) naquela área.

O que foi feito após esta constatação?

Criamos um Grupo de Trabalho, formado por membros de todos os poderes do clube, que traçou premissas (que foram entregues as empresas que se interessaram em comprar a ideia) que defendiam os interesses do Mecão. Muitos americanos ficaram preocupados, principalmente os antigos, pois no passado o Rubro se desfez de seu patrimônio. Contudo reafirmo que fiquem tranquilos, pois desta vez haverá apenas o aumento do mesmo. Isso ficou bem claro com o que pedimos às empresas interessadas.

Em que estágio estão as negociações?

Conversamos com mais de 10 empresas e ainda seguimos realizando reuniões com as que mantiveram o interesse em construir um empreendimento (com base no que pedimos). Detalhes ainda seguem sendo discutidos e por isso ainda não houve assinatura de contrato. Mas isso é normal, pois se trata de um importante negócio e o America impõe seus desejos. Mas as conversas estão bastante avançadas e é possível que, ainda no início deste ano de 2015, possamos anunciar oficialmente o acordo com uma destas empresas.

Além de favorecer o America e seus associados, a nova sede traria algum benefício para terceiros?

Sem sombra de dúvidas. Acredito que a construção desta nova sede vai beneficiar principalmente a cidade do Rio de Janeiro. Queremos ajudar o prefeito Eduardo Paes no processo de revitalização do nosso município e penso que este empreendimento será importante no progresso do Rio.

A nova sede trará recursos que ajudariam na receita mensal do America. Além dela como anda a busca por outros recursos e patrocínios?

A imagem do America foi bastante prejudicada em suas últimas administrações e estamos resgatando isso aos poucos. Demonstrando a seriedade do trabalho honrando nossos compromissos, mesmo sendo um processo gradativo, recuperamos a nossa credibilidade no mercado. Tendo isso como alicerce estamos em busca de patrocínios para o Futebol. O Departamento de Planejamento, Comunicação e Marketing, liderado pelo Vice-presidente Marcelo Burgos, está traçando planos de ação para buscar empresas que possam nos patrocinar. Algumas conversas já foram iniciadas e acredito que há boas chances de fecharmos com algum patrocinador para o Estadual.

Na última temporada, mesmo sem patrocínio, a sua administração honrou todos os seus compromissos. O que isso representa?

Infelizmente não temos patrocínio, mas, com a colaboração de diversos americanos, terminamos o ano com todas as contas em dia. Membros da administração, do Departamento Médico, da Comissão Técnica e atletas, sem exceção, receberam tudo o que foi prometido e isso me deixa muito feliz. Muitos clubes do Futebol Carioca e Nacional vivem situações financeiras problemáticas, o que eu lamento profundamente. Por isso eu e a brilhante equipe que trabalha comigo procuramos reinventar essa forma de trabalhar no clube, com os pés no chão. Aprendi com os ex-presidentes do America, Álvaro Bragança e Wilson Freire Carvalhal, que me lançaram no Futebol, que o departamento deve ser sempre administrado sem loucuras e excessos, e procuro fazer isso.

Diante da sua administração em 2014, muita expectativa gira em torno deste mandato de três anos. O que espera deste desafio?

Meu principal objetivo é reerguer o clube e, se possível, recolocar o nosso time na Série A do Estadual em 2016. Conto com a colaboração de todos os vice-presidentes do clube, nesta nova vida da instituição, para que juntos possamos obter êxito. Eu ficaria apenas para um ano de mandato, mas o destino quis que eu me mantivesse a frente do America. Agora, com esta responsabilidade, espero que ao final da minha administração eu consiga tornar o America Football Club em um dos melhores clubes do país.







COMPARTILHE: